Após seis anos, barragem do Apanha Peixe volta a 'sangrar' no Oeste potiguar

Barragem, que tem capacidade para 10 milhões de metros cúbicos de água, fica em Caraúbas. Agora, são 6 os reservatórios monitorados pelo Igarn totalmente cheios.

Após seis anos, açude do Apanha Peixe volta a 'sangrar'

Atualmente, 6 dos 47 reservatórios monitorados pelo Instituto de Gestão das Águas do Rio Grande do Norte (Igarn) estão com o volume máximo retomado, ou seja, estão com 100% da capacidade. São eles:

  • Barragem do Apanha Peixe, em Caraúbas; capacidade: 10.000.000/m³.
  • Açude do Santo Antônio, em Caraúbas; capacidade: 8.538.109/m³.
  • Açude Encanto,em Encanto; capacidade: 5.192.538/m³.
  • Açude Riacho da Cruz II, em Riacho da Cruz; capacidade: 9.604.200/m³.
  • Açude Pataxó, em Ipanguaçu; capacidade: 15.017.379/m³.
  • Açude Beldroega, em Paraú; capacidade: 8.057.520/m³.

Apesar do alívio que a chuva leva ao homem do campo, principalmente em razão destes últimos seis anos de estiagem severa no interio do estado, ainda há reservatórios completamente secos. São eles:

  • Açude Dourado, em Currais Novos; capacidade: 10.321.600/m³.
  • Barragem Trairi, em Tangará; capacidade: 35.230.000/m³.
  • Barragem Japi II, em São José do Campestre; capacidade: 20.649.000/m³.

Seca Histórica


Com seis anos seguidos de estiagem, o Rio Grande do Norte enfrenta a seca mais severa de todos os tempos. Os efeitos são preocupantes. Dos 167 municípios potiguares, 153 estão em calamidade por causa da seca – o que representa 92% do estado.
Atualmente, 15 cidades estão em colapso, e outras 84 possuem sistemas de rodízio para ter água encanada. Ao longo destes anos, o governo estima que os prejuízos já passaram dos R$ 4 bilhões por causa da redução do rebanho e do plantio.

 
G1RN

Comentários