Morre idosa potiguar que completou ensino médio aos 91 anos


“Ela falava que queria ir embora como um passarinho: rápido e sem dar trabalho”. Para Adriano Stefanni, neto de dona Maria, esse último desejo foi atendido. Maria Pereira da Silva, a idosa que, com 91 anos, completou o ensino médio, morreu na madrugada desta terça-feira (24/4), após sofrer duas paradas cardiorrespiratórias devido a um princípio de pneumonia.
Nascida em 25 de setembro de 1926, em Martins, no Rio Grande do Norte, cursou até a 3ª série quando pequena e interrompeu os estudos para ajudar os pais.
Mesmo com pouco estudo, era professora de alfabetização. Aos 28 anos, separou-se do primeiro marido e partiu para Goiânia, deixando uma filha na terra natal, com outra filha no colo e um bebê na barriga. Lavou e passou roupas, e chegou a trabalhar até em uma fábrica de macarrão. Em 1959, foi morar em Brasília, onde se casou novamente. Batalhadora, trabalhava para garantir que os filhos não saíssem da escola.
Aos 42 anos, retomou os estudos pela primeira vez e concluiu a 5ª série. “Parei por vergonha. Achei que estivesse velha para isso”, disse Maria ao Correio, em reportagem publicada no início de abril, que conta a história de vida da idosa. A vergonha foi deixada de lado e, aos 89 anos, ela voltou às salas de aula e só saiu com o diploma na mão.
Orgulho para os oito filhos vivos, 34 netos, 48 bisnetos e três tataranetos. “Ela tava super-feliz com as conquistas e o reconhecimento. Realizou muitos sonhos, era nosso exemplo, nos ensinou muito. Para nós, fica a saudade, mas a certeza de que ela está bem”, disse Adriano, responsável por incentivar e matricular a avó no ensino médio.
Dona Maria, que ainda sonhava em fazer faculdade de teologia, vai continuar o aprendizado com o “maior dos professores, lá em cima”, garantiu a família.
Correio Braziliense

Comentários