PRF escolta caminhões de refinaria do RN para abastecer aeroportos de Natal, Fortaleza e João Pessoa

Os combustíveis produzidos a apenas 200 quilômetros de Natal, na Refinaria Clara Camarão, enfrentam barreiras para chegar aos municípios potiguares, durante a greve dos caminhoneiros por redução do preço do óleo diesel.
No final de semana, natalenses tiveram dificuldade de encontrar gasolina, etanol e diesel nas bombas de postos da capital. A paralisação chegou ao 8º dia nesta segunda-feira (28).
Para garantir o abastecimento dos aeroportos de Natal, Fortaleza e João Pessoa, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) confirmou que está fazendo escoltas de caminhões carregados do QAV (querosene de aviação) produzido em Guamaré, na região da Costa Branca potiguar.
No início da manhã do sábado (26), o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo (Sindipostos) afirmou que 40% dos postos da capital estavam sem combustíveis. Parte dos postos foram reabastecidos de gasolina e diesel entre o sábado e o domingo (27), mas a entidade não estimou quantos postos possuíam os produtos ou não.
Nesta segunda-feira (28), o Sindispostos alertou que o estoque nos postos da capital estão baixos e suficientes para atender a demanda até esta terça-feira (29). "Talvez alguns postos tenham estoque maior, suficiente até quarta-feira", afirmou Antonio Sales, presidente da entidade.
Caminhões com gasolina e outros tipos de combustíveis também foram escoltados nos primeiros dias de paralisação, para atender a pontos mais críticos como segurança e saúde.
Na tarde do último sábado (26), houve um alívio, quando manifestantes liberaram a BR-406, na altura do município de João Câmara, e permitiram a passagem de mais de 40 caminhões-tanque, antes mesmo da chegada de equipes da Polícia Militar, Força Nacional e PRF, que iriam fazer a escolta. Foi o que permitiu o reabastecimento dos postos de Natal. A rodovia ficou liberada até a tarde deste domingo (27).
Mesmo sem bloqueio na porta da Refinaria Clara Camarão, em Guamaré, os caminhões de combustíveis são parados nas rodovias federais e estaduais que dão acesso ao ativo industrial da Petrobras. Carros da Força Nacional reforçam a segurança na entrada da refinaria.
G1 RN

Comentários