Após decisão do TST, petroleiros do RN suspendem greve de 72 horas

Petroleiros recuam e acabam greve de 72 horas
Os petroleiros do Rio Grande do Norte suspenderam a greve de 72 horas iniciada nesta quarta-feira (30) em várias partes do país e que contou com atos em quatro municípios do estado. O sindicato potiguar seguiu a recomendação da Federação Única dos Petroleiros, que recomendou a suspensão da paralisação depois que uma ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST) aumentou a multa aplicada contra a categoria no caso de continuidade.
O recuo aconteceu após a ministra Maria de Assis Calsing, do TST, ter aumentado de R$ 500 mil para R$ 2 milhões a multa diária aplicada aos sindicatos dos petroleiros que aderirem à greve.
“A decisão do TST é claramente para criminalizar e inviabilizar os movimentos sociais e sindicais. Diante disso, a FUP orienta os sindicatos a suspenderem a greve. Um recuo momentâneo e necessário para a construção da greve por tempo indeterminado, que foi aprovada nacionalmente pela categoria”, afirmou comunicado publicado pela FUP em sua página.
De acordo com o sindicato, 100% dos petroleiros, sejam funcionários da Petrobras ou de empresas privadas, cruzaram os braços logo na quarta-feira (30), no RN. O ato não prejudicou diretamente a produção automatizada, mas os serviços que dependiam de atuação humana direta não foram realizados.

Nenhum comentário :

Postar um comentário