Reunião na cadeia vai definir futuro do PT


As estratégias recursais do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para continuar disputando como candidato nas eleições de outubro serão decididas na cadeia. O vice na chapa petista à Presidência da República, Fernando Haddad, irá, acompanhado de advogados, à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba amanhã traçar os rumos na corrida eleitoral.
A palavra final ficará a cargo de Lula, que precisará tomar importantes decisões. Afinal, cada tática adotada pode se desdobrar em diferentes cenários. A dúvida é quais caminhos serão os mais eficientes para atingir o grande objetivo: ganhar tempo para construir uma narrativa que transfira o maior número possível de votos para Haddad.
O plano de guerra do PT está concentrado na esfera jurídica e no horário eleitoral. A orientação é recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ajustar as propagandas do partido, afirma o deputado Carlos Zarattini (SP), vice-líder da legenda na Câmara. “A questão é nos adequarmos à forma estabelecida pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral)”, explica.
O entendimento da defesa é de que a decisão da corte não impede a aparição de Lula como apoiador de Haddad, e sim a exibição na condição de cabeça de chapa. “Ele ainda pode falar do nosso programa, de tudo o que foi feito antes e o que propomos. Há muitas possibilidades”, pondera o parlamentar.
Estado de Minas

Comentários