Caso Perceu: Aposentado morto em porta de delegacia queria registrar a perda de seu documento

O filho do aposentado Valdecir de Jesus cai em prantos: avisado por um vizinho, ele encontrou o pai morto na porta da 5ª DP Foto: Agência O Globo
RIO – O aposentado Valdecir de Jesus, de 62 anos, acordou nesta sexta-feira com um compromisso na cabeça: registrar na 5ª DP (Gomes Freire) a perda de sua carteira de identidade. Estava há dois dias sem o documento, e achou melhor ir ainda pela manhã à delegacia. Preferiu resolver o problema “à moda antiga”, rejeitando a proposta de um filho de fazer o processo pela internet. De viagem marcada para São Paulo, queria ter logo uma cópia de um boletim de ocorrência, para apresentá-lo na hora de embarcar caso não conseguisse tirar uma segunda via a tempo. Preocupado, não prestou atenção quando alguém, dentro da unidade policial, gritou para que não entrasse. Valdecir puxou a porta e tomou um tiro no peito, caindo do lado de fora. Morreu com uma carteira do Sindicato dos Empregados e Trabalhadores da Estiva nas mãos, com a qual pretendia comprovar quem era.
Além do antigo estivador, três pessoas foram baleadas, inclusive o homem que abriu fogo na direção de Valdecir. O ex-soldado da Polícia Militar do Rio Grande do Norte Jefferson Perceu Maciel Saraiva havia sido preso uma hora antes, depois de quebrar, com a cabeça, uma porta de vidro do Aeroporto Santos Dumont. Foi levado algemado à 5ª DP por uma equipe do programa Aterro Presente, e, para assinar o boletim da ocorrência, um PM teve de soltar suas mãos . Em seguida, Jefferson tomou sua pistola.
Jefferson atirou duas vezes contra o chefe de segurança da Infraero Marcos Freire, que o conteve no aeroporto até a chegada da equipe do Aterro Presente. Errou o alvo, e acabou atingindo, primeiramente, Francisco Luiz Xavier, que, assim como Valdecir, tinha ido à delegacia fazer um registro. O estivador aposentado foi baleado logo depois. Mesmo ferido, Francisco correu para fora da 5ª DP, e caiu no asfalto da Rua Gomes Freire.
Jefferson ainda tentou matar o delegado que registrava sua prisão, mas errou de novo e baleou o policial civil Nadmar Junger antes de cruzar a porta. Em seguida, roubou uma motocicleta para fugir, mas levou um tiro na cabeça, provavelmente disparado por um PM que chegava com colegas ao local. Foi hospitalizado em estado grave.
Reportagem completa de O Globo (clique aqui)

Comentários