MP e polícia recebem mais de 500 denúncias e investigam se João de Deus lavou dinheiro

Médium João de Deus foi preso no domingo (Foto: Ernesto Rodrigues/Estadão)
O Ministério Público e a Polícia Civil informaram na segunda-feira, 17, que receberam 506 denúncias de mulheres que dizem ter sido abusadas por João de Deus em Abadiânia (GO). O médium, que sempre negou as acusações, foi preso no domingo, 16. Além destes crimes, os órgãos também apuram se houve conivência de outras pessoas e denúncias de lavagem de dinheiro.
O delegado-geral da Polícia Civil, André Fernandes, disse acreditar que o número vai crescer a partir da parceria com o MP. No domingo, porém, ele já havia alertado que “muitos casos já podem ter prescrito”.
“É muito dinâmico. O MP vai contribuir com várias informações que foram colhidas por eles e serão enviadas para a polícia. Esses dados precisarão de uma nova análise por parte da polícia investigativa”, afirmou.
A Polícia Civil declarou que o líder religioso será ouvido “quantas vezes for necessário” durante as apurações. Delegados e promotores que compõem as forças-tarefas que investigam os crimes se reuniram no período da tarde na Secretaria de Segurança Pública para compartilhar dados. Entenda os rumos da investigação.
Suspeita de lavagem de dinheiro
Promotores e delegados que compõem forças-tarefas que investigam João de 
Deus (Foto: Sílvio Túlio/G1)
O promotor Luciano Meirelles disse que vai investigar se João de Deus teria lavado dinheiro, conforme relatos recebidos pelos investigadores. Eles não deu detalhes a respeito, mas afirmou que essa análise só deve ser feita após a apuração dos crimes de cunho sexual.
“Há notícias de lavagem de dinheiro, que também, como os crimes sexuais, deve ser investigada. Mas é bom frisar que o momento é de investigar os crimes contra a dignidade sexual. Num segundo momento, os crimes que rodeiam a figura do acusado serão investigados”, explica.
Em nota, o advogado dele, Alberto Toron, negou as acusações. “Não se lava dinheiro limpo, dele próprio, que estava no banco. Baixar aplicações não é lavar dinheiro. Depois, soube agora que apenas uma aplicação foi baixada e não todo o montante alardeado”, declarou. (Com informações G1 GO).

Comentários