Seguidora de João de Deus, atriz Bárbara Paz se posiciona sobre casos de abuso

Bárbara Paz se posiciona sobre casos de abuso (Foto: Batanga Media Difusão
 pela Internet LTDA)
As denúncias de abuso sexual contra o médium João de Deus e sua posterior entrega à polícia ainda repercutem no Brasil inteiro e geram comoção entre aqueles que um dia já se consultaram com ele. A atriz Bárbara Paz, em um desabafo bastante sincero, escreveu sobre o momento de sua vida em que foi em busca de auxílio do agora suspeito de ter abusado de mulheres durante o atendimento em Abadiânia, Goiás.
Muitos artistas nacionais e internacionais frequentaram a Casa de Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO). João Teixeira de Faria, o João de Deus, era bastante famoso por seu trabalho com cura espiritual e carregava multidões para o local em que atendia.
Após as denúncias de mulheres de vários países virem à tona (e que resultaram na prisão do médium, que se entregou à Polícia no domingo, 16), Bárbara fez questão de se posicionar sobre o quanto sentia, não só pela sua vivência de confiança no médium, mas, especialmente, pelas vítimas que o denunciam.
Relato de Bárbara Paz após denúncias de abuso
“Assustada, perplexa, indignada e descrente. Uma decepção tão grande, tão séria que hoje não consigo saber para onde olhar. Frequentei a casa de Dom Inácio. Meditei, rezei e acreditei muito naquela energia branca que regia aquela casa. Aquilo me ajudou num momento muito triste da minha vida. Mas nem de perto da tristeza de hoje de ver essas 300 mulheres e crianças denunciando ele por estupro, abuso, um segredo guardado por tanto tempo. Não há perdão. Não há mais o que silenciar. Dói e dói muito perder a fé em algo”.
Em seguida, a atriz publicou em seu Instagram um texto de autoria de Antonia Pellegrino que ganhou as redes sociais desde que os casos ganham mídia. Famosos e anônimos compartilharam a mensagem de apoio às vítimas:
“A maior quebra de silêncio da história. Até hoje, 330 mulheres se uniram para denunciar o mesmo homem. Por assédio, estupro, pedofilia, incesto praticados há décadas. Décadas em que cada uma delas silenciou, foi desacreditada ou ameaçada de morte.
Estas 330 mulheres não são loucas, mentirosas, invejosas. Elas são vítimas. Vítimas de um homem poderoso que usa Deus como sobrenome. Elas são vítimas de séculos de silenciamento. Mas o tempo das mulheres chegou. Empoderadas por todas as denúncias que vieram antes, no Brasil e no mundo, elas decidiram se unir e falar.
É hora de investigar e punir quem tiver que ser punido. É hora de justiça. Parabéns pela coragem de todas as mulheres envolvidas nesta histórica quebra de silêncio. Nós estamos com vocês”. (Com informações  Nathália Geraldo – Vix).

Comentários