Com leucemia, menina morre aos 8 aninhos em abrigo de SP e deixa carta emocionante para uma voluntária que a visitava

A voluntária Gabriella Pereira, de 23 anos, passou os últimos dois anos visitando a menina Jullia, de oito, em um orfanato de São Paulo. Jullia lutava contra a leucemia, um tipo de câncer que começa na medula óssea, tecido responsável pela fabricação de todos os elementos do sangue. A doença se agravou no começo deste ano, e a menina deixou uma carta para Gabriella. "Obrigada por vir me ver".
"Ela me ensinou a saber o que é ter um amor de mãe, sem ser mãe. Em não reclamar das coisas, eu nunca vi ela reclamando de nada", disse Gabriella ao G1.
A carta chegou na última quarta-feira (9), mesmo dia que Jullia morreu. A carta foi escrita no dia 1º de janeiro em uma agenda da Branca de Neve. O texto começa no dia 27 de janeiro, não por acaso. "É o dia do meu aniversário. A Jullia queria me entregar nesse dia", lembra Gabriella.
Mas a voluntária recebeu a carta no mesmo dia que Jullia foi morar 'com papai do céu', como escreveu. "Quero te pedir obrigado por me conhecer, por vir me ver", diz a carta escrita com a ajuda de uma assistente social. "Você é a minha melhor amiga e eu queria que você fosse a minha mãe, pedi para o papai do céu me fazer sarar, porque aí você ia arrumar os documentos e me adotar."
"Tia Gabi, eu te amo, e estou pintando as bolinhas do calendário igual você disse e só faltam duas fileiras para o dia do seu aniversário, mas estou muito doente e com dor, por isso, se eu for morar com o papai do céu, não fica triste, porque eu te amo e só você é a minha melhor amiga", assinou Jullia no final da carta.
Voluntariado Gabriella conta que até conhecer Jullia fazia trabalhos voluntários com moradores em situação de rua, visitava albergues e orfanatos. Entregava comida, cobertores e fraldas aos desamparados. "Quando conheci a Jullia parei com os projetos e só me dedicava a ela", afirmou.
A jovem sempre que podia visitava a menina no orfanato. "Dia das Crianças, aniversário, Natal, entre outras datas, sempre tive comigo que precisava dar uma passadinha pra ver a magrelinha, porque as outras crianças tinham alguém que visitava e ela tinha apenas eu, sua irmã foi adotada quando tinha meses, mais a Júlia estava com 8 e tinha leucemia e lutava pela cura todos os dias", relatou Gabriella em um post que viralizou nas redes sociais.
"Tenho comigo que fiz tudo que pude, todos os pedidos que fez em vida foram realizados e não me arrependo de nenhum deles."

Comentários