Caso Rhuan: Bolsonaro lamenta que Constituição não permita prisão perpétua; criança foi morta e esquartejada pela mãe e sua parceira

Rhuan Maycon, de 9 anos, morto e esquartejado pela própria mãe 
(Foto: Reprodução/Facebook)
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) defendeu, pelas redes sociais, prisão perpétua às acusadas de matar e esquartejar o menino Rhuan Maycon, de 9 anos, em Samambaia Norte, Distrito Federal. A postagem foi feita no Twitter na tarde de terça-feira, 18.
“O chocante caso do menino Ruan, que teve seu órgão genital decepado e foi esquartejado pela própria mãe e sua parceira, é um dos muitos crimes cruéis que ocorrem no Brasil e que nos faz pensar que infelizmente nossa Constituição não permite prisão perpétua”, escreveu Bolsonaro no microblog.
Em menos de 40 minutos, a postagem teve mais de 3,6 mil compartilhamentos, 1,6 mil comentários e 18 mil curtidas.
O menino foi assassinado pela própria mãe,Rosana Auri da Silva Candido, 27, e pela companheira dela, Kacyla Priscyla Santiago Damasceno, 28, em 31 de maio. Um ano antes de ser brutalmente morto, Rhuan teve o pênis amputado em uma cirurgia caseira.
É a primeira vez que o presidente se pronuncia sobre o caso, mas o filho, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), já havia comentado nas redes sociais sobre a crueldade do crime, e relacionado o assassinato com “ideologia de gênero”.
Relembre o caso
Rosana e Kacyla assassinaram Rhuan durante a noite. O garoto estava dormindo quando recebeu diversos golpes de faca. Em seguida, ele teve o rosto desfigurado, foi decapitado e esquartejado. As mulheres ainda tentaram queimar a carne dele em uma churrasqueira, para poder descartá-la em um vaso sanitário. No entanto, pararam por causa da grande quantidade de fumaça.
Elas distribuíram as partes do corpo do menino em uma mala e duas mochilas escolares. Rosana jogou um dos itens em um bueiro de Samambaia, mas foi vista por pessoas que estavam na rua. Curiosos abriram o objeto e encontraram o corpo. A Polícia Civil foi acionada e prendeu o casal na residência.
O corpo foi velado no Cemitério Morada da Paz, em Rio Branco (Acre), onde moram os familiares do garoto. Uma menina de oito anos, filha apenas de Kacyla, e irmã de criação de Rhuan, passou a morar com a família paterna, no Acre, após o crime.
Kacyla fugiu com a filha de Rio Branco, em 2014, com Rosana e Rhuan. Eles passaram por dezenas de endereços, como Trindade (GO), Goiânia e Aracaju, até chegar ao Distrito Federal. Há dois meses, moravam em Samambaia, na casa onde o garoto foi assassinado e esquartejado. As duas estão presas desde o dia do crime. (Com informações Correio Braziliense).

Comentários