Sérgio Chapelin será substituído por Sandra Annenberg e Glória Maria na apresentação do Globo Repórter; Maju Coutinho assumirá o JH

Sérgio Chapelin, Sandra Annemberg, Glória Maria e Maju Coutinho (Foto: Globo)
O Globo Repórter e o Jornal Hoje passarão por mudanças no fim de setembro. O Jornalismo da Globo anunciou nesta sexta-feira, 9, que Sérgio Chapelin deixará o programa, que passará a ser apresentado por Sandra Annenberg e Glória Maria. A bancada do JH ficará a cargo de Maria Júlia Coutinho, a Maju.
Sérgio Chapelin
Uma das figuras mais conhecidas da televisão, Sérgio Chapelin, 78 anos, está há quase 50 anos da Globo. Assim como Cid Moreira, ele continuará ligado à emissora. Chapelin já passou pelo Jornal Hoje, Jornal Nacional, Fantástico, Jornal da Noite, Jornal da Globo e Globo Repórter.
Sérgio Chapelin marcou a história de programas como Jornal Nacional, Fantástico e Globo Repórter (Foto: Globo)
Nascido em 1941, na cidade de Valença, no interior do Rio de Janeiro, iniciou a carreira no jornalismo como locutor e se destacou na Rádio Jornal do Brasil nos anos 1960.
Na bancada do JN, ao lado de Cid Moreira, o apresentador anunciou as principais notícias que marcaram o Brasil e o mundo. Tiveram destaque o início e fim da Guerra do Golfo, o impeachment de Fernando Collor, o massacre no Carandiru, o anúncio e desdobramentos do Plano Real, e o terremoto na cidade japonesa de Kobe. Em 1985, Chapelin apresentou, sozinho, uma das edições mais marcantes do Jornal Nacional, sobre a morte do presidente-eleito Tancredo Neves.
Glória Maria
Glória Maria está no Globo Repórter desde 2010 e irá revezar a apresentação dele 
com Sandra Annenberg (Foto: Cesar Alves/Globo)
Glória Maria está no time do Globo Repórter desde 2010 com suas matérias especiais. Agora, ao lado de Sandra Annenberg, que também não abre mão da reportagem, ela deve dar uma nova cara à atração semanal.
Em sua carreira de repórter, Glória esteve em mais de 100 países. Já cobriu terremotos, vulcões, eleições e assuntos de grande repercussão, como a posse do presidente americano Jimmy Carter, em 1976, e o desfecho do sequestro de mais de 100 diplomatas que estavam numa festa na casa do embaixador do Japão, em Lima, no Peru, em 1997. Entre as personalidades que entrevistou estão Michael Jackson, Harrison Ford, Leonardo DiCaprio, Sophia Loren, Nicole Kidman, Freddie Mercury e Madonna.
Apresentou o Bom Dia Rio, o Jornal das Sete (predecessor do RJ2), o Jornal Hoje e, de 1998 a 2007, o Fantástico, onde deixou sua marca.
Ela foi a primeira repórter a fazer um vivo no Jornal Nacional, em 1977, na Avenida Brasil, durante um engarrafamento. Na hora de ir ao ar, os refletores desligaram, mas Glória conseguiu reportar a notícia iluminada por faróis dos veículos. Anos mais tarde, em 2007, ela fez a primeira transmissão em alta definição da TV brasileira, na Cidade Proibida, em Pequim, para o Fantástico.
Glória foi também a primeira mulher na Globo a cobrir uma guerra. Coube a ela anunciar o fim da Guerra das Malvinas, em 1982.
Sandra Annenberg
Sandra Annenberg na bancada do Jornal Hoje, onde esteve por 18 anos
 (Foto: Zé Paulo Cardeal/Globo)
Sandra Annenberg ficou 18 anos à frente do Jornal Hoje e agora, além de apresentar o Globo Repórter, também irá se dedicar a reportagens especiais.
“Vou sentir saudades, mas sou movida a desafios, e o Globo Repórter é irrecusável”, afirmou.
Com o anúncio da nova fase profissional, Sandra contou que, de todos os programas da Globo, só não havia passado pelo Globo Repórter. A jornalista estreou na emissora em 1991 fazendo a previsão do tempo do Jornal Nacional. Na mesma época, comandava também o São Paulo Já Primeira Edição. De 1993 a 1996, Sandra apresentou o Fantástico ao lado de Fátima Bernardes e Celso Freitas.
Passou também pela apresentação do Jornal da Globo e Globo Notícias e, desde 2014, comanda o programa Como Será.
Ao longo da carreira, participou de grandes coberturas nacionais e internacionais, incluindo as mortes do piloto Ayrton Senna, em 1994, e da Princesa Diana, em 1997, além de eventos esportivos como as Copas da Alemanha, da África do Sul e da Rússia.
A maior emoção, diz ela, foi reportar a morte de Senna. “Eu e Fátima Bernardes entramos ao vivo ao longo de todo o domingo, com boletins ao vivo. Seguramos a emoção. Durante o programa, combinamos de não nos olharmos porque sabíamos que íamos desabar. Ao fim do programa, olho no olho, dever cumprido e muito choro”, lembra.
Maju Coutinho
Maju inovou ao simplificar a linguagem e noticiar fenômenos climáticos de 
forma didática (Foto: Cesar Alves/Globo)
Atual responsável pela previsão do tempo do Jornal Nacional, Maju Coutinho já passou também pela bancada do JH em algumas ocasiões, desde 2017. No mesmo ano, apresentou pela primeira vez o Jornal Nacional. E, em agosto de 2019, estreou no “Fantástico”, substituindo a jornalista Poliana Abritta, que estava em férias.
Maju estreou na Globo em 2007 fazendo reportagens dos telejornais locais de São Paulo. “Foram 6 anos de rua, antes de me escalarem como substituta na previsão do tempo do Globo Rural e do Bom Dia Brasil”, recorda. Foi convocada, também, para levar sua previsão do tempo para o Hora 1, onde interagia com a apresentadora Monalisa Perrone. Leve e descontraída, a conversa entre as duas tratava não só da temperatura, mas também da roupa que telespectador deveria ir para a rua e encarar o novo dia.
Maju inovou na linguagem. Tirou termos técnicos usados por meteorologistas e se aproximou do público com explicações didáticas sobre fenômenos como El Niño e La Niña. Em 2015, estreou ao vivo com a previsão no Jornal Nacional, levando seu estilo para o programa. O sucesso foi imediato.
“Eu não poderia imaginar como essa exposição a um público maior, com mais TVs ligadas, causaria uma mudança tão grande para mim”, diz Maju. (Com informações G1).

Comentários