Petroleira grega Delta Tankers diz que ‘não há provas’ de que o navio Bouboulina vazou petróleo na costa do Brasil

A petroleira grega Delta Tankers, proprietária do navio-tanque Bouboulina – apontado pela Polícia Federal como principal suspeito de ter derramado o óleo que desde o fim de agosto vem atingindo o litoral do Nordeste –, disse que “não há provas” de que a embarcação seja responsável pelo incidente.
As manchas de petróleo em praias da região atingiram pelo menos 286 localidades em 97 municípios de 9 estados. A substância é a mesma em todos os locais: petróleo cru. O fenômeno tem afetado a vida de animais marinhos e causado impactos nas cidades litorâneas.
Em nota divulgada neste sábado (2), a Delta afirmou que fez uma “pesquisa completa do material nas câmeras e sensores que todos os seus navios carregam como parte de suas políticas de segurança e ambientais”.
No comunicado, a Delta Tankers destaca 3 pontos:
‘não há provas’ de que o navio Bouboulina derramou óleo;
a empresa não foi procurada por autoridades brasileiras;
a embarcação, que saiu da Venezuela em 19 de julho, chegou ao destino final, na Malásia, e ‘descarregou toda a carga sem qualquer falta’.
“Não há provas de que o navio tenha parado, realizado qualquer tipo de operação STS [transferência de um navio para o outro], vazado, desacelerado ou desviado da rota, em seu caminho da Venezuela para Melaka, na Malásia”, diz o texto da Delta.
G1

Comentários