Coronavírus: como evitar o contágio em voos




Foto: Handout/Anadolu Agency/Getty Images)
As companhias aéreas estrangeiras têm suspendido voos para Wuhan, cidade que é o atual epicentro do surto de coronavírus. Porém, elas continuam voando para outros países que já têm casos comprovados da doença: atualmente, são mais de 500 ocorrências em 27 países.
Por esse motivo, os aeroportos e os aviões ainda são motivo de atenção no combate à propagação do vírus. Recentemente, agentes de saúde têm realizado exames nas áreas de desembarque e os passageiros têm usado máscaras sobre o nariz e a boca como forma de se protegerem da contaminação.
Porém, em entrevista ao Bloomberg, o médico e consultor da Associação Internacional de Transporte Aéreo, David Powell, afirmou que as tais máscaras não são a medida de prevenção mais indicada. Veja a seguir mitos e verdades sobre a propagação do coronavírus em voos.
As máscaras são a melhor forma de se proteger do coronavírus: mito.
Powell afirma que existem poucas evidências da efetividade das máscaras que protegem o nariz e a boca. Além disso, ao longo dos voos as peças vão se tornando muito úmidas e acabam se tornando um local propício para o desenvolvimento de vírus e bactérias.
É possível se contaminar encostando em assentos e apoios de braço dos aviões: mito.
Contrair o coronavírus pelo contato com partes da aeronave é altamente improvável, segundo o médico. Isso porque as limpezas usuais feitas pelas companhias aéreas normalmente já são suficientes para manter uma higienização de qualidade.
O ar da aeronave propaga a doença: mito.
Na verdade, o ar dos aviões ajuda a combater a propagação de qualquer vírus. Diferente do ar respirado no dia a dia, em aeronaves trata-se de uma combinação de ar fresco com ar recirculado, assim como é feito em salas de cirurgias.
A melhor forma de evitar o coronavírus é higienizando as mãos: verdade.
Segundo Powell, é difícil que o contágio aconteça pelo ar ou pelo contato com objetos. É muito mais provável que ele se dê pelo contato entre pessoas, principalmente quando alguém espirra e tosse. Dessa forma, a melhor forma de impedir que a doença se espalhe é lavando e secando as mãos com frequência. Caso isso não seja possível, o álcool em gel é uma boa alternativa. Quando tossir ou espirrar, é importante não cobrir o rosto com as mãos, e sim com algum material que possa ser descartado logo em seguida.
Existem lugares no avião que são melhores para evitar doenças: verdade.
Um estudo da Universidade de Emory, nos Estados Unidos, indicou que uma das maneiras de evitar qualquer doença contagiosa – não só o coronavírus – durante um voo, é se sentando perto da janela. Isso porque os passageiros que ficam longe do corredor se levantam menos e tem um contato significativamente menor com outros passageiros.
Status do coronavírus
Até a quarta-feira (26), mais de 80 mil pessoas foram infectadas e 2.708 morreram em decorrência da doença covid-19 (nome dado pela Organização Mundial da Saúde).
Na terça-feira, 25 de fevereiro, foi registrado o primeiro caso de coronavírus no Brasil, em São Paulo. Trata-se de um homem de 61 anos que esteve na região da Lombardia entre os dias 9 e 21 de fevereiro.
Viagem e Turismo

Comentários