Estudante que fez provas no hospital durante tratamento de câncer é aprovado no Enem: “vou ser engenheiro”

Ezequiel Mateus teve uma perna amputada durante tratamento de câncer (Foto: Arquivo Pessoal)
“Sempre foi meu sonho ser um engenheiro civil”. O potiguar Ezequiel Matheus da Rocha, de 19 anos, vai agora poder iniciar a realização desse sonho. Ezequiel fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no hospital, quando fazia tratamento contra um câncer, e atingiu a nota necessária para ingressar no curso que queria. Ainda neste semestre vai começar os estudos na graduação de Ciência e Tecnologia na Universidade Federal do Semiárido (Ufersa), em Mossoró.
Foi a terceira participação dele no Exame Nacional do Ensino Médio. A primeira foi por experiência. Na segunda, conseguiu a vaga no curso de Ciência e Tecnologia da Ufersa de Angicos, mas o sonho foi interrompido pela descoberta da doença.
Ezequiel Mateus iniciou o tratamento em 3 de março do ano passado, logo no período que seria aberto o ano letivo. Tudo começou com uma pancada no joelho esquerdo durante uma partida de futebol. Dias depois, ainda continuava a inchar e a família resolveu procurar ajuda médica. No dia 28 de fevereiro, após uma ressonância na perna, a notícia mudou os projetos de Ezequiel. Os profissionais encontraram um osteossarcoma – tumor maligno – no fêmur do estudante.
Ezequiel Matheus trata de um câncer há um ano em Mossoró, Oeste potiguar (Foto: Arquivo Pessoal)
Em novembro, dias depois de prestar as provas, ele precisou amputar a perna, para impedir o avanço da doença. Passado quase um ano após a descoberta do câncer, o rapaz comemora a boa recuperação e a notícia da aprovação.
“Não estou mais fazendo quimioterapia, estou tomando uns comprimidos e fazendo a manutenção. Vou no hospital duas vezes na semana só, para fazer exames e ver como estou. Graças a Deus, estou me recuperando muito bem”.
Ezequiel Mateus concluiu os estudos na Escola Estadual Juscelino Kubitschek, em Assu. O rapaz mora com a mãe, o pai, a irmã e um sobrinho em uma localidade chamada de Sítio Trapiá, na zona rural de Mossoró.
Agora, toda a família vai se mudar para a cidade, para ficar mais perto da Ufersa e facilitar o transporte de Ezequiel até a universidade. Filho de pai e mãe agricultores, ele é o segundo integrante da família Rocha a ingressar no ensino superior. O irmão mais velho, Erisvaldo, foi o primeiro. “Ele sempre me incentivou a seguir meu sonho, sempre me inspirou. Agora vou ser engenheiro”, afirmou. (Com informações G1 RN).

Comentários