Goleiro Bruno afirma que ‘Bola não matou Eliza’ e pede que Macarrão conte a verdade

O goleiro Bruno concedeu entrevista ao jornal “O Tempo”, de Minas Gerais, e falou sobre o assassinato de Eliza Samúdio, caso que está prestes a completar dez anos. De acordo com o jogador, em matéria publicada nesta segunda-feira (2), Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, condenado por executar o crime e ocultar o cadáver da mulher, não foi o responsável pelo homicídio.
Segundo declarações do atleta com passagem pelo Flamengo, Bola foi incluído na investigação devido a uma rixa que tinha com Edson Moreira, delegado do episódio.
“Até que me provem o contrário, para mim, o Bola é inocente. Nesse caso, ele é. Quero avaliar a prova que liga o Bola a esse assunto. Não tem. Foi muito mais naquela época lá, que tinha que condenar, quando o Macarrão falou no júri que o ‘Bruno agora é o mandante, agora fecha. O Bola é o executor’. Tá, ele é o executor, prova isso. Prova também que eu sou o mandante”, disse Bruno.
Bola pegou 22 anos de prisão por homicídio duplamente qualificado (por asfixia e recurso que dificultou a defesa da vítima) e ocultação de cadáver. Para Bruno, porém, ele é inocente.
“Não conheço ele de lugar nenhum, nunca vi o Bola na minha vida. Todos os amigos que eu tinha eu sempre registrei, sempre estiveram nas minhas fotos, uns conhecem os outros, mas o Bola não conheço. A meu ver, pelo que eu já ouvi de história, é muito mais perseguição do que ele nesse caso”, afirmou.
Cumprindo a pena de 20 anos e nove meses em regime domiciliar, Bruno também pediu para que Luiz Henrique Romão, conhecido como Macarrão, conte a verdade sobre o caso.
“Acho que ele deve isso para a sociedade. Se ele foi a última pessoa a estar com a Eliza, por que ele não fala onde ela está então? Fala o que aconteceu realmente com ela. Não o que ele falou lá no júri, porque o júri é mentira”, disparou.
Dez anos após o assassinato, o corpo de Eliza Samúdio ainda não foi encontrado. Edson Moreita, ex-degelado, acredita que o cadáver tenha sido enterrado perto da cidade Capim Branco.
“O Bola é perigoso. Ele só não contou onde estava o corpo porque tem outros corpos lá no mesmo lugar. Eu desconfio da localização, lá para o lado de Capim Branco, porque, em certos momentos em que o celular dele ficou desligado, apareceram umas ligações para aquele lado. Eu queria fazer essa parte da investigação, com autos suplementares. Mas o doutor Gustavo Fantini (promotor de Justiça) passou isso para o pessoal do Crime Organizado, que não conhecia os detalhes do crime”, comentou.
Jovem Pan

Comentários